Antonio Poteiro | Nossa Senhora | Gravura-Serigrafia 56/80 | 45×51 cm | C.I.D

VENDIDA/SOLD!! – ANTONIO POTEIRO – “Nossa Senhora”
Técnica/Suporte: Gravura/serigrafia em papel (série 56/80) assinada e numerada à punho pelo Artista.
Medidas: 45 x 51 cm (obra).
Série/tiragem: 56/80.
Assinatura: C.I.D. – canto inferior direito, obra está assinada à punho pelo artista.
Moldura: Obra seguirá com moldura nova, vidro de proteção e foam no verso..
Estado de conservação: Ótimo, com pequenos pontos de acidez.
Descrição/Detalhes: Linda e grande serigrafia, assinada à punho do artista. A gravura foi produzida na técnica de serigrafia. O artista produziu a imagem em uma tela estêncil (matriz) e depois transferiu a imagem para um papel de forma artesanal e com tiragem limitada.
FRETE GRÁTIS – BRASIL*

Artista

Técnica

Dimensões

Assinatura

Data

Descrição/Detalhes

, ,

VENDIDA/SOLD!! – ANTONIO POTEIRO – “Nossa Senhora”
-Técnica/Suporte: Gravura/serigrafia em papel (série 56/80) assinada e numerada à punho pelo Artista.
-Medidas: 45 x 51 cm (obra).
-Série/tiragem: 56/80.
-Assinatura: C.I.D. – canto inferior direito, obra está assinada à punho pelo artista.
-Moldura: Obra seguirá com moldura nova, vidro de proteção e foam no verso.
-Estado de conservação: Ótimo, com pequenos pontos de acidez.
-Descrição/Detalhes: Linda e grande serigrafia, assinada à punho do artista. A gravura foi produzida na técnica de serigrafia. O artista produziu a imagem em uma tela estêncil (matriz) e depois transferiu a imagem para um papel de forma artesanal e com tiragem limitada.
FRETE GRÁTIS – BRASIL*
-ID | REF: GP-G31094

-BIOGRAFIA: Antonio Batista de Souza (Aldeia de Santa Cristina da Pousa, Braga, Portugal 1925 – Goiânia, Goiás, 2010).
Escultor, pintor, ceramista
.

Imigra com a família para São Paulo em 1926. Mais tarde, reside em Araguari e Uberlândia, em Minas Gerais, onde inicia a atividade de ceramista, realizando peças utilitárias. Monta duas fábricas de cerâmica, que vão à falência, e passa um longo período entre os índios na Ilha do Bananal, em Goiás. Passa a residir em Goiânia. Em 1957, adota o apelido de Antonio Poteiro por sugestão da folclorista Regina Lacerda, que o orienta a assinar seus bonecos de barro. Gradualmente passa a apresentar, em suas obras, motivos regionais e temas bíblicos. Em 1972, já como conhecido ceramista, é estimulado a pintar por Siron Franco (1947) e Cleber Gouvêa (1942 – 2000). Expõe seus trabalhos em mostras no Brasil e no exterior. Leciona cerâmica no Centro de Atividades do Sesc e nas cidades de Hannover e Düsseldorf, na Alemanha. Em 1985, recebe o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA, na categoria escultura. Em 1997, é homenageado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil.

Análise
Antonio Poteiro, após fazer por algum tempo cerâmica utilitária, começa a realizar pequenos bonecos de argila. Passa a dedicar-se também à pintura, incentivado por Siron Franco (1947), e desenvolve gradualmente a habilidade de colorista. Como aponta o crítico Olívio Tavares de Araújo, Poteiro mantém um estilo coerente, tanto nos procedimentos formais que desenvolve como no uso personalíssimo da cor. Seus temas são variados e abarcam desde a fauna do pantanal mato-grossense a assuntos de história religiosa, abordados de maneira original.

Suas telas e cerâmicas são repletas de pequenas figuras de casas, animais, riachos, pessoas e detalhes ornamentais que preenchem todos os espaços vazios, e são tratados com minúcia e acuidade técnica. Realiza uma série abordando os 500 anos da História do Brasil, na qual mantém a visão pessoal e criativa dos temas, característica de seus trabalhos.

Fonte: ANTONIO Poteiro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural.

Open chat
1
Posso te ajudar?