Oferta!

Mário Gruber | Figura | Gravura Metal-34/110 | 30×50 cm | C.I.D

R$2.000.00 R$1.150.00

MÁRIO GRUBER – “Figura-s/título””
Técnica/Suporte: Linda gravura em metal sobre papel (exemplar nº 34/110), numerada e assinada à punho pelo artista no C.I.D e no C.S.E.
Medidas: 30 x 50 cm (obra) | 17 x 20 cm (imagem).
Série/Tiragem nº: 34/110.
Estado de conservação: Ótimo.
Moldura: Sem moldura.
Descrição/Detalhes: A gravura foi produzida na técnica de gravura em metal sobre papel. O artista produziu a imagem em uma chapa de metal (matriz) e depois transferiu a imagem para um papel de forma artesanal e com tiragem limitada.
FRETE GRÁTIS – BRASIL* (*obra será enviada sem moldura)

Quantidade:
Artista

Técnica

Dimensões

,

Assinatura

,

Data

Descrição/Detalhes

MÁRIO GRUBER – “Figura-s/título””
-Técnica/Suporte: Linda gravura em metal sobre papel (exemplar nº 34/110), numerada e assinada à punho pelo artista no C.I.D e no C.S.E.
-Medidas: 30 x 50 cm (obra) | 17 x 20 cm (imagem).
-Série/Tiragem nº: 34/110.
-Estado de conservação: Ótimo.
-Moldura: Sem moldura.
-Descrição/Detalhes: A gravura foi produzida na técnica de gravura em metal sobre papel. O artista produziu a imagem em uma chapa de metal (matriz) e depois transferiu a imagem para um papel de forma artesanal e com tiragem limitada.
FRETE GRÁTIS – BRASIL* (*obra será enviada sem moldura)

-BIOGRAFIA: Mário Gruber Correia (Santos, São Paulo, 1927).
Pintor, gravador, escultor, muralista.
Autodidata, começa a pintar em 1943. Muda-se para São Paulo em 1946 e matricula-se na Escola de Belas Artes, onde é aluno do escultor Nicolau Rollo (1889-1970). Em 1947, ganha o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo 19 Pintores. No ano seguinte realiza sua primeira exposição individual e passa a estudar gravura com Poty (1924-1998) e a trabalhar com Di Cavalcanti (1897-1976). Recebe bolsa de estudo em 1949, vai morar em Paris, estuda na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes] com o gravador Édouard Goerg (1893-1969) e trabalha com Candido Portinari (1903-1962). Retorna ao Brasil em 1951 e funda o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde volta a residir. É professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) em 1953, e dá aulas de gravura em metal na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo, entre 1961 e 1964. Monta ateliê de gravura em São Paulo em 1970. De 1974 a 1978, mora em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, mora em Olinda, Pernambuco. Em 1979, monta ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realiza obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Na década de 2000, continua a trabalhar intensamente, com uma produção anual de 100 a 120 obras.

Análise
Autodidata, Mário Gruber começa a pintar na metade da década de 1940, apresentando uma produção ligada ao expressionismo. Em 1949, recebe uma bolsa do governo francês, e viaja para Paris, onde se dedica ao estudo de pintura e gravura. Retorna ao Brasil em 1951. Em sua obra gráfica dessa época, aproxima-se do realismo social praticado por outros artistas ligados aos clubes de gravura. A cidade, suas ruas e casas são temas para sua produção gráfica.
Mário Gruber realiza também pinturas de caráter figurativo, partindo de imagens cotidianas, como a vida nas metrópoles, para envolvê-las em jogos de imaginação. O artista cria personagens fantásticos, utilizando cores contrastantes que remetem à produção do pintor holandês Rembrandt van Rijn (1606-1669) e do espanhol Diego Velázquez (1599-1660). A partir da década de 1970, passa a empregar recursos do processo fotográfico, como a ampliação, para criar novos tipos de imagens. Pesquisa também as linguagens da televisão e do cinema. Mantém um constante diálogo com a tradição da história da arte, como na exposição de 1985, na qual recria telas do pintor italiano Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610) e do francês Georges de La Tour (1593-1652), realizando ampliações a partir dos quadros desses artistas e apreendendo a dramaticidade e a dinâmica da luz presentes em suas obras.
A luminosidade apurada, a gama cromática muito controlada e a pincelada livre estão presentes em quadros posteriores, como Balão Verde e Preto (1996). Criando personagens que são freqüentemente mascarados, magos, anjos e robôs, Gruber produz obras que causam estranheza e relacionam-se a uma temática ligada ao realismo fantástico.

Fonte: MÁRIO Gruber. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019.